As comunidades eclesiais de base consolidaram na América Latina um jeito próprio de ser Igreja. Acreditamos que a beleza e a originalidade dessa caminhada trazem respostas significativas e fecundas para as nossas atuais buscas de fidelidade ao Reino de Deus, no desafio de evangelizar no contexto em que vivemos.

22-de-maio-comunidades-eclesiais

Uma Igreja com “rosto de CEB’s” é aquela que cuida da formação de comunidades de fé organizadas em pequenos grupos de pessoas que crescem no amor fraterno, na partilha da vida e na defesa de causas com interesses comuns. Nesses pequenos grupos, movidos pela fé no Reino de Deus anunciado e testemunhado por Jesus, procura-se participar, com entusiasmo, diálogo e compromisso, da vida em comunidade, dos interesses coletivos e da defesa da dignidade de cada pessoa, especialmente dos, socialmente, mais vulneráveis.

Os membros das CEB’s aprendem que o Mestre de Nazaré entendeu a sua missão como a promoção de ações libertadoras, confiantes na presença amorosa de Deus conosco, para que todos tenham vida em abundância. Experimentam o Espírito Santo como luz e força de Deus dentro de cada um de nós; como aquele que distribui dons, suscita carismas e serviços para o bem de todos. Percebem que é o Espírito Santo que dá origem às CEB’s, com a sua rede de comunidades e grupos diversos.

Nelas, os/as leigos/as, mas também ministros ordenados e religiosos/as, a partir da experiência da fé em Jesus e, de modo especial, da fé de Jesus, comprometem-se com a missão recebida no batismo, dão-se as mãos e procuram se animar mutuamente. Fazem isso de muitos modos: através da participação na celebração da Palavra e da Eucaristia; do cultivo da devoção a Nossa Senhora e aos santos e santas da caminhada; do compromisso e animação dos grupos de reflexão ou círculos bíblicos; da participação nos diversos grupos, equipes e associações, nas pastorais, nos conselhos; e, sobretudo, do compromisso e participação nas lutas, mutirões, campanhas e caminhadas em favor da cidadania para todos e na defesa e cuidado com a sacralidade da vida de todos os seres que habitam a Terra. Com todas essas atividades e tantas outras, fé e vida, como um casamento indissolúvel, formam uma unidade inseparável.

Desse modo, o jeito próprio de ser Igreja das CEB’s concretiza uma corajosa, teimosa e perseverante caminhada de fé em comunidade. Nas CEB’s há muito espaço para os/as leigos/as. Com seu jeito simples e sincero de celebrar, louvar e rezar, os/as leigos/as formam verdadeiras comunidades de base, com alicerce firme no chão da realidade da sociedade. Estas comunidades de base, unidas em rede, formam paroquias revitalizadas e atuantes. Não é essa a proposta do Documento 100 da CNBB: “Comunidade de comunidades, a nova paróquia. A conversão pastoral da paróquia”?

Essa organização em rede favorece, entre todos os fieis, a divisão das responsabilidades e tarefas, bem como o envolvimento e compromisso de todos na ação evangelizadora da Igreja, no cuidado com o crescer na concretização da justiça e da fraternidade e na defesa da dignidade de todos. Com comunidades eclesiais de base – CEB’s, a experiência da caminhada confirma, isso é possível! Isso porque as CEB’s formam uma base sólida de sustentação de toda ação evangelizadora da Igreja nas pastorais, no nível comunitário, paroquial, (arqui)diocesano e dos regionais da CNBB.

Os/as leigos/as, por formar a maioria dentro do Povo de Deus, são chamados a ser os protagonistas na caminhada das pastorais, comunidades, paróquias e (arqui)dioceses. Por estarem presentes no mundo do trabalho, da educação, da saúde, da política, eles podem garantir a ligação entre fé e vida. As CEB’s, como o fermento na massa, podem transformar a Igreja e a Sociedade.

Pe. José Geraldo de Sousa

Assessor arquidiocesano de Belo Horizonte e Estadual das CEB’S

Ribeirão das Neves, 05 de junho de 2015.

Anúncios