Nesta entrevista, Libanio fala aos jovens sobre Teologia, Teologia da Libertação, CEBs, conjuntura eclesial e, no final, deixa uma provocante mensagem para os jovens cristãos. Vale a pena ler…

Num mundo de desesperança e desânimo, ser um sinal de coragem e engajamento. Num mundo que só valoriza o presente, acreditar no futuro, forjando utopias. Num mundo hedonista, mostrar que o verdadeiro prazer está na entrega de si aos outros. Num mundo de corrupção política, exercer vigilante controle sobre a administração pública para evitar a malversação dos bens públicos. Num mundo de violência, revelar a liberdade e transparência acolhedora da tolerância e do amor. Enfim, anunciar em palavras e ações que é possível criar uma sociedade alternativa a esta que aí está, começando já no seu meio juvenil o ensaio do mundo futuro de fraternidade, igualdade, acolhida, paz e amor.

João Batista Libanio

João Batista Libanio em conversa com os jovens
João Batista Libanio em conversa com os jovens

Entrevista foi concedida, em abril de 2002, ao Jornal ESPERANÇA JOVEM, da Pastoral da Juventude, da Paróquia Nossa Senhora da Conceição Aparecida, Cobilândia, Vila Velha-ES. Por Emerson Sbardelotti Tavares

EMERSON – O que é a Teologia da Libertação? É a única teologia da América Latina? É a melhor?

LIBANIO: A Teologia da Libertação é, antes de tudo, uma libertação da Teologia. Ela quer ser uma teologia para a nossa situação e não simples xerox da teologia de outros países. Ao querer ser uma teologia para a América Latina, ela parte dos problemas da América Latina. Ora o maior problema que nós vivemos é a situação de opressão, de exploração das grandes massas populares. E a única maneira de superar uma situação de dominação é lutar pela libertação. Queremos, como cristãos, embarcar nessa luta pela libertação dos pobres, motivados e iluminados pela nossa fé.

A TdL é a teologia que motiva e ilumina o cristão na luta pela libertação. Por isso se chama Teologia da Libertação. Ela não organiza, nem faz a libertação. Isso fazem os homens e mulheres que estão lutando. Ela quer simplesmente ajudar esses homens e mulheres, que são cristãos, a verem o que a sua fé diz sobre tal luta, motivando-a, iluminando-a, criticando-a nos pontos em que possa ter entrado algo de anti-cristão. O papel da TdL é muito importante para sustentar a fé do cristão comprometido. Pois vimos com tristeza no passado muitos cristãos que, ao engajarem-se na luta, perderam a oposição entre fé e política, entre fé e luta libertadora, entre fé e compromisso social. Mostrar isso é uma das maiores tarefas da TdL.

Ela não é a única teologia da América Latina, mas aquela que nasceu aqui e se orienta para a nossa situação. Não se trata de comparar mas de ver sua relevância e pertinência para nossa situação latino-americana.

EMERSON – As CEBs são ainda um fenômeno ou não representam mais um novo jeito de ser Igreja?

LIBANIO: As CEBs são ainda verdadeiro jeito de ser Igreja. Mas há vários tipos de CEBs. Há aquelas que amadureceram. Há outras que fraquejaram e outras que desapareceram.

As CEBs têm manifestado uma capacidade criativa no campo da liturgia precisamente lá onde o ministro ordenado não chega regularmente. Elas continuam revelando um compromisso libertador, firme e decidido, sem talvez a aura militante de outras décadas, mas não menos sério e eficiente. Enfim, aí esta a vida das CEBs em sua beleza simples e corajosa.

EMERSON – Num mundo globalizado e globalizante, qual é o cenário de Igreja que sobressai atualmente na América Latina e Brasil?

LIBANIO: Predomina ainda na Igreja Católica, o cenário da Instituição. A preocupação interna com sua estrutura ainda é muito acentuada. No entanto, há sinais de um forte sopro carismático que vivifica toda a Igreja e flexibiliza suas instituições. Há crescente apreço à Palavra de Deus, às liturgias da Palavra, ao estudo da fé. E também ainda permanece animador em muitos setores da Igreja um entusiasmo no compromisso com o processo libertador dos pobres.

EMERSON – O que deve representar o estudo da teologia para a Pastoral de Juventude? E o que a Pastoral de Juventude deve representar para a teologia?

LIBANIO: Muito. A teologia é a busca de intelecção de fé. Na idade jovem se é mais exigente quanto as razões para crer. Deixa-se de ser criança que freqüenta a religião pelas mãos dos pais. Agora o jovem anda com suas pernas. Em termos de fé, significa aprofundá-la. E para fazê- lo, nada melhor que a teologia. E, por sua vez, a teologia também deve levar em consideração as perguntas que os/as jovens lhe levantam. Eles/as são como a febre do organismo da sociedade. Revelam a existência da infecção sem talvez apontar para qual ela seja exatamente. E a teologia percebendo tal aviso e alarme mergulha no problema e aprofunda.

EMERSON – Qual a mensagem que o sr. daria para os nossos grupos de base da Pastoral de Juventude?

LIBANIO: Num mundo de desesperança e desânimo, ser um sinal de coragem e engajamento. Num mundo que só valoriza o presente, acreditar no futuro, forjando utopias. Num mundo hedonista, mostrar que o verdadeiro prazer está na entrega de si aos outros. Num mundo de corrupção política, exercer vigilante controle sobre a administração pública para evitar a malversação dos bens públicos. Num mundo de violência, revelar a liberdade e transparência acolhedora da tolerância e do amor. Enfim, anunciar em palavras e ações que é possível criar uma sociedade alternativa a esta que aí está, começando já no seu meio juvenil o ensaio do mundo futuro de fraternidade, igualdade, acolhida, paz e amor.

EMERSON – Pe. Libanio, nas comemorações de 75 anos de tua existência só temos agradecer a sua valiosa contribuição para o crescimento de nossos jovens, de nossas jovens na caminhada de Pastoral de Juventude. Muito obrigado!

Nota do autor da entrevista sobre João Batista Libanio

João Batista Libanio e Emerson Sbardelotti Tavares
João Batista Libanio e Emerson Sbardelotti Tavares

Conheci o padre João Batista Libanio, no ano de 1985, Ano Internacional da Juventude. Ele havia sido um dos conferencistas naquele final de semana e nos falava sobre “O Mundo dos Jovens” (título de um de seus livros sobre e para a juventude), despertando os ouvintes para as expectativas que se abriam no limiar da história da juventude brasileira. Com imensa humildade, amor e humor, o padre Libanio se aproximava de nós como verdadeiro assessor, pois suas inquietações nos levavam a pensar sobre o que estávamos vivendo na realidade de então. Ele nos fazia perguntas fáceis, mas que necessitavam de demoradas respostas, respostas ruminadas, respostas que fizessem o grupo crescer.

Ele em todos os seus livros, didaticamente, sempre fez questionamentos que iam e vão, no mais íntimo de nosso ser. Mesmo sendo um Doutor em Teologia, não abria mão de estar no meio dos pobres, do Povo Santo de Deus, apesar de toda erudição que tinha, conseguia conversar de forma simples, delicada, para cada público um discurso, sempre coerente e vivo.  Aprendi com ele e tento a cada dia viver: um bom teólogo não pode estar nunca somente na academia, ele tem que estar onde o povo está, caso contrário de nada valerá a teologia que recebeu e que faz!

Eu não conhecia os escritos do padre Libanio, mas conhecia os de alguns de seus amigos queridos: Leonardo Boff e Carlos Mesters. Através dos livros destes dois, e também depois daquela conferência, comecei a comprar seus livros, e assisti-lo em VHS que uma editora católica produzia, vídeos sobre Espiritualidade, Teologia, Jesus de Nazaré. Ele falava sobre todos os campos da teologia com imensa facilidade, convicção e clareza. Foi a partir do estudo de sua obra que comecei a entender melhor o que era a Teologia da Libertação.

Autor de mais de 125 livros, sem contar os inúmeros artigos. Ele não deixava ninguém sem resposta. Escrevia de próprio punho ou no computador, mandava cartas, e-mails, concedia entrevistas, fazia conferência ou escrevia livros, mas sempre procurando responder às perguntas a ele dirigidas. Em todos os nossos encontros, e não foram poucos, sempre trazia o recente livro, autografado, e eu lhe dizia que um dia escreveria e também o presentearia. “Estarei esperando…” sempre dizia e sorria.

Em 2012, nos agradecimentos da monografia “Ecoteologia: dos gritos dos pobres ao grito da Terra na perspectiva da Teologia da Libertação em Leonardo Boff”, que apresentei, assim está escrito:

“Aos teólogos e teólogas da libertação, pela coragem e pelo testemunho de fé e vida frente às perseguições e martírios. A Leonardo Boff, João Batista Libanio, Marcelo Barros, Carlos Mesters e D. Pedro Casaldáliga, que mantêm viva a fé e a fiel esperança”. Enviei-lhe um arquivo para seu e-mail com a mesma, e ele respondeu: “Obrigado. Siga em frente!”. Neste ano, tive o prazer de reencontrá-lo, o que seria a nossa última vez juntos, no Congresso Continental de Teologia, ocorrido na Unisinos – RS. Neste Congresso, eu lhe entreguei meus dois primeiros livros: O Mistério e o Sopro – roteiros para acampamentos juvenis e reuniões de grupos de jovens. Brasília: CPP, 2005 e Utopia Poética. São Leopoldo: CEBI, 2007. O que ele com um imenso sorriso me disse: “Até que enfim… parabéns… siga em frente!” Na ocasião, eu lhe perguntei se em meu terceiro livro (que ainda não está concluído) ele faria a apresentação? “Seria um prazer. Afinal, temos que dar apoio aos novos teólogos da libertação!”. Como era bondoso o professor Libanio… me chamar de novo teólogo da libertação. Ao escrever, confesso, me emociono ao lembrar dessas palavras, e peço a Deus, que essa profecia se cumpra. Infelizmente no último dia 30 de janeiro de 2014, o Moreno de Nazaré o chamou para junto dele. Fico com a lembrança viva do professor bondoso, inteligente, bem humorado e cheio de amor pela Teologia, pela juventude, pelo povo e, de forma preferencial, dos pobres.

Da minha parte irei me dedicar com afinco ao Mestrado em Teologia Sistemática. Ele me enviou um e-mail dizendo: “Parabéns por mais esta conquista, não se esqueça nunca do povo.”

Em nossa última conversa, dias antes de começar a Ampliada Nacional da Pastoral da Juventude, falávamos sobre a juventude, sobre o processo da educação da fé e ele sempre me pedia, me dizia isso: “que tenha coragem de lutar por uma pastoral livre, corajosa e libertadora”!

Obrigado professor querido por tudo o que semeou entre nós. A Teologia e a Teologia da Libertação perde um de seus maiores mantenedores do diálogo e do respeito, a Igreja perde um de seus maiores pensadores contemporâneos.

E eu sigo por aqui, nas suas pegadas, com amor, humor e humildade. Até o nosso próximo encontro Libanio.

Fonte:

http://teologiadalibertacaoemmutirao.blogspot.com.br/2014/02/o-pensamento-euristico-de-joao-batista.html

Anúncios