“Carregarás a cruz deles por um dia?”

Crianças sírias

“milhares de crianças nos campos de refugiados passam fome, mas têm, sobretudo, sede de futuro”

“A Ajuda à Igreja que Sofre é como uma mãe para nós cristãos da Síria e Iraque. Sem vocês, muitos de nós estaríamos mortos ou já teríamos emigrado. Temos extrema necessidade de vossa ajuda, mas aquilo que vos pedimos agora é a misericórdia. Rezem e jejuem para que o Senhor tenha misericórdia de nós”. Em resposta a este veemente apelo dos Patriarcas Caldeu, Louis Raphael Sako, e Melquita, Gregorios III Laham, a Ajuda à Igreja que Sofre convocou, para a Quarta-feira de Cinzas, um Dia Mundial de Oração e Jejum pela Paz na Síria e no Iraque.

Um convite a todos os cristãos

Todos os cristãos do mundo são convidados a aderir à iniciativa que tem por título “Carregarás a cruz deles por um dia? Na Quarta-feira de Cinzas reze e jejue pelo Iraque e Síria”. Também é possível participar da campanha através das redes sociais, utilizando os hashtag: #fastandpray #carrythecross #AshWednesday.

Desejo de paz

“Há cinco anos que continuamos a andar num deserto – escreve o Patriarca Gregorio III  à AIS – e a constante ajuda de vocês foi para nós como o maná que o Senhor fez descer do céu para o israelitas”. O Patriarca também enfatiza a dramática situação em que mergulhou a sua comunidade e toda a sociedade síria: “Assistimos aos atrozes sofrimentos das crianças, à agonia de seus pais e estamos constantemente rodeados pelo ódio e pela morte.”

O  único desejo nosso é de voltar a viver em paz

O prelado sírio pede a todos os cristãos do mundo para rezarem e jejuarem pelos seus irmãos na fé que vivem no Oriente Médio. “Nesta Quaresma,  carreguem a nossa cruz como Simeão fez com Jesus”, é a exortação do Patriarca.

As crianças nos campos de refugiados têm sede de futuro

Um apelo ao qual se une também o Patriarca dos Caldeus, Raphael Sako, que denuncia o sofrimento de sua comunidade: “Quem podia deixar o Iraque já o fez. Milhares de crianças nos campos de refugiados passam fome, mas têm, sobretudo, sede de futuro: querem uma escola e uma casa. Vocês fizeram tanto por nós, agora vos peço: rezem e jejuem para que possamos permanecer na nossa amada pátria e para quem já a deixou possa retornar. Assim que, nesta Páscoa, na terra de Abraão, os cristãos possam finalmente ressurgir das cinzas”.

Desde o início da crise síria, em março de 2011, a Ajuda à Igreja que Sofre realizou projetos de apoio às populações da Síria e do Iraque, num valor de 27 milhões e 670 mil euros.

Fonte: Rádio Vaticano

Anúncios