A professora Aurea Marin Burocchi coordena o Projeto Teologia Viva que, neste ano, completa dez anos. Como o próprio nome diz, esse é um projeto dinâmico, que toca a vida das pessoas ali, onde elas estão. Na Arquidiocese de Belo Horizonte o Teologia Viva vai às foranias, paróquias, comunidades onde é solicitado, para dar os fundamentos bíblico-teológicos ao povo dessas localidades. Mas esse projeto do CEFAP (Centro de Formação de Agentes de Pastoral) também é missionário: nos meses de janeiro e julho, leigas e leigos desta Arquidiocese levam o Teologia Viva à Amazônia e ao norte de Minas. Vale a pena conhecer essa vida que se comunica. Aliás, ser cristão é isto: ser portador da Boa Nova!

Publicamos, aqui, o depoimento da professora Aurea Marin que testemunha o entusiasmo, a paixão que tem por essa missão.

Áurea Marin

Aurea Marin Burocchi

Não quero exagerar quando digo que, para mim, o Projeto Teologia Viva é uma vocação e uma missão.

A primeira pessoa que me falou dele foi a Ir. Romi Auth que me convidou para participar de uma reunião nas Paulinas, em 2005, sob a coordenação do Pe. Luiz Eustáquio dos Santos Nogueira, que tentava organizar, com um grupo de pessoas, um projeto de formação para leigos. Fui e me envolvi tanto que nunca mais deixei o grupo, até hoje.

Naquele momento da minha vida, foi um verdadeiro chamado de Deus para novos caminhos, para uma nova terra, cujas estradas ainda não estavam traçadas. Estabelecer essas rotas com o grupo de pessoas que se reunia na casa das Irmãs Paulinas, na Av. Afonso Pena, então, foi um grande desafio, envolvido nas brumas da incerteza, mas também nas alegrias da convivência, de muito estudo e reflexão e de novas descobertas.

A efetiva implantação de sete núcleos na Arquidiocese de Belo Horizonte em 2006 foi muito trabalhosa e, também, trouxe consigo os inevitáveis conflitos de algo novo e do “trabalhar com gente”, como diria meu pai. Tudo isso vivido e resolvido do melhor modo, devo dizer, fazendo o projeto amadurecer e todos nós também, pois já contávamos, então, cerca de 60 monitores trabalhando, divididos em grupos, nos sete núcleos. Era formação de leigos para leigos.

De onde eram esses monitores leigos? Vinham dos vários institutos da Arquidiocese que se dedicam à formação bíblico-teológica. A maior parte deles, entretanto, eram egressos do SAB (Serviço de Animação Bíblica) das Paulinas e do CEFAP (Centro de Formação de Agentes de Pastoral) da Arquidiocese de Belo Horizonte, na PUC Minas. Frutuosa parceria que dura até hoje, nos nove núcleos que continuam a funcionar na Arquidiocese de Belo Horizonte.

Depois de um ano de experiência avaliada positivamente pelos monitores, alunos e párocos, surge uma pergunta, diante do apelo dos bispos da Amazônia por auxílio na formação dos leigos, na Campanha da Fraternidade de 2007: que tal partilharmos esta experiência com os nossos irmãos da Amazônia? Através do Pe. Luiz Eustáquio, demos nossa disponibilidade a Dom Walmor que nos acolheu e direcionou para a responsável pelo setor da CNBB, Ir. Cecília Tada. Muito me tocou o seu silêncio no primeiro telefonema que trocamos… eu ansiosa de um lado e ela silenciosa do outro, depois que eu rapidamente me apresentei, em nome de D. Walmor, e disse que estávamos à disposição para oferecer a nossa experiência de formação para leigos. Achei que a linha tinha caído. No final ela disse: “Vocês são a resposta de Deus para os pedidos que temos recebido aqui na Amazônia.”

Isso me comove até hoje. Senti que Deus chama e envia. Ele desperta desejos e esses desejos podem ser satisfeitos com outros desejos. Despertou, nos cristãos daqui, o desejo de aprender e depois de partilhar. Despertou também lá, nos cristãos da Amazônia, o desejo de aprofundar a fé que se encontra com o nosso desejo: entre nós nasce a fraternidade que a partilha proporciona. Certamente, no futuro, outros desejos nascerão, basta estarmos abertos. E é isso que nos realiza profundamente, colocando-nos em contato com Deus-Trindade e com os irmãos.

Vídeos:

https://observatoriodaevangelizacao.wordpress.com/2016/05/10/cefap-acreditando-no-protagonismo-laical-viii/

https://observatoriodaevangelizacao.wordpress.com/2016/05/09/cefap-acreditando-no-protagonismo-laical-vii/

https://observatoriodaevangelizacao.wordpress.com/2016/05/05/cefap-acreditando-no-protagonismo-laical-vi/

https://observatoriodaevangelizacao.wordpress.com/2016/05/03/cefap-acreditando-no-protagonismo-laical-v/

https://observatoriodaevangelizacao.wordpress.com/2016/04/30/cefap-acreditando-no-protagonismo-laical-iv/

https://observatoriodaevangelizacao.wordpress.com/2016/04/29/cefap-acreditando-no-protagonismo-laical-iii/

https://observatoriodaevangelizacao.wordpress.com/2016/04/27/cefap-acreditando-no-protagonismo-laical-ii/

https://observatoriodaevangelizacao.wordpress.com/2016/04/26/cefap-acreditando-no-protagonismo-laical/

 

Demais publicações:

https://observatoriodaevangelizacao.wordpress.com/2016/03/17/teologia-viva-em-missao-um-historico/

https://observatoriodaevangelizacao.wordpress.com/2016/03/15/teologia-viva-partilha-iii/

https://observatoriodaevangelizacao.wordpress.com/2016/02/15/teologia-viva-partilha-ii/

https://observatoriodaevangelizacao.wordpress.com/2016/02/01/teologia-viva-partilha-i/

https://observatoriodaevangelizacao.wordpress.com/2015/10/26/projeto-teologia-viva-em-missao-i/

Anúncios