Filhas de Jesus

CEM ANOS DE PRESENÇA EVANGELIZADORA EM BELO HORIZONTE – IX

img_1659

Hoje se celebra o centenário dessa presença entre nós. Em 16 de setembro de 1916, quando essa capital carecia de instituições educativas, as Filhas de Jesus deram sua pronta e eficaz resposta, a fim de servir integralmente aos irmãos através da educação cristã. Então, fundou-se o Colégio Imaculada Conceição.

Várias das alunas desse Colégio vieram, também, a se tornar Filhas de Jesus. Entrevistamos uma dessas ex-alunas, a Irmã Regina Stela de Castro Queiróz, que é, portanto, testemunha da vida desse centenário em duas dimensões: tanto como aluna, quanto como religiosa. Abaixo, trechos de seu depoimento ao Observatório da Evangelização:

OE: Momento histórico. Uma caminhada longa e rica a celebrar… Como foi a chegada das primeiras Filhas de Jesus a Belo Horizonte?

Irmã Regina Stella: As duas primeiras Filhas de Jesus que chegaram a Belo Horizonte para a fundação do Colégio Imaculada Conceição em 25 de agosto de 1916 foram Juana Uranga e Angela Acevedo, que começaram a visitar várias famílias belo-horizontinas a fim de oferecer-lhes o novo Colégio. As demais pioneiras: Maria Elósequi Iztueta, Josefa Macatzaga Dorronsoro e Lorenza Beraza Beracierto chegaram a Belo Horizonte em setembro de 1916.

O trabalho educativo teve início no dia 16 de setembro de 1916, em um chalé situado na Av. João Pinheiro. No ano de sua inauguração o Colégio Imaculada oferecia os cursos especiais de piano, solfejo, canto, francês, espanhol, pintura a óleo e a aquarela, confecção de flores, costura e bordados. Ao concluir o ano, o Colégio contava com 23 alunas.

As primeiras mestras do Imaculada recebiam encomendas de bordados das mais distintas famílias do Bairro de Lourdes e os recursos recebidos por esse trabalho contribuíram para a aquisição do primeiro piano para a escola em dezembro daquele mesmo ano.

No ano seguinte, teve início o sistema de internato, com três alunas, sendo também contratados os primeiros professores leigos. Também em 1917, teve início a construção do primeiro pavimento do Colégio Imaculada, na rua Aimorés, 1600, cuja inauguração se deu quase quatro anos depois.

Em junho de 1940, o prédio do Colégio, hoje tombado pelo Patrimônio Histórico e Cultural do Município já estendia suas dependências da rua Aimorés até a rua da Bahia e oferecia os Cursos Primário e Secundário, além de cursos especiais de desenho, pintura e música.

Em 1948, teve início também uma classe de alfabetização para empregadas domésticas, inclusive com instrução religiosa, que evoluiu para o EJA do Imaculada. A Educação Infantil, por seu lado, funciona em um prédio à parte.

OE: Irmã Regina, você estudou no Colégio Imaculada Conceição, não? Como era o Colégio quando você era aluna?

Irmã Regina Stella: Estudei no Imaculada dos 12 aos 17 anos, no internato. A superiora, a coordenadora de disciplina ou prefeita, como a chamávamos na época, e a coordenadora de ensino eram Filhas de Jesus. Havia uns seis professores leigos.

OE: O que naquele estilo de vida levado pelas religiosas atraiu você?

Irmã Regina Stella: O que mais me atraiu para ser Filha de Jesus foi a dedicação das Irmãs, a alegria e o ambiente familiar do Colégio, particularmente do internato.

Foi também muito forte para mim a devoção mariana: as coroações do mês de maio, a celebração do dia 08 de dezembro, dia da Imaculada, Padroeira do Colégio,; e o espírito missionário. Santa Cândida, nossa fundadora, dizia: “Ao fim do mundo iria eu em busca de almas”.

Uma experiência que marcou muito foi ajudar a Irmã Mercês Figueira, que dava aulas de alfabetização para jovens e adultos. Pessoas que depois de sua jornada de trabalho vinham ao Colégio muito agradecidas à nossa acolhida e felizes por aprenderem a ler. Fazemos esse trabalho no EJA (Educação de Jovens e Adultos) até hoje.

OE: São quantos anos de Vida Religiosa? O que mais alegra você ao recordar o caminho feito?

Irmã Regina Stella: Tenho 62 anos de vida religiosa. Fiz o postulantado e o noviciado em Belo Horizonte e o juniorado em Campinas. Trabalhei em nossos colégios em Belo Horizonte, tanto no próprio Imaculada quanto na Obra Social São José Operário e também nos colégios de Campinas e Mogi Mirim e na Obra Social no Rio de Janeiro.

Esta experiência me fez sentir em uma grande família, não só entre as Irmãs, mas também com os leigos, que partilham conosco a missão de “evangelizar educando e educar evangelizando”, nos colégios, na inserção social e em diferentes contextos sociais.

Morei doze anos em Roma, de 1983 a 1994, como membro do Governo Geral. Durante este tempo, tive a oportunidade de conhecer a vida da Congregação em diversos países: Itália, Espanha, Argentina, Bolívia, Colômbia, Uruguai, Venezuela, Cuba, República Dominicana, Filipinas, Japão e Taiwan.  Esse tempo foi, para mim, uma rica experiência por viver o carisma de Santa Cândida em tão diferentes países e culturas. Hoje estamos também na China, em Bangladesh, em Moçambique, na Tailândia, no Vietnã e em Mianmar.

OE: Quais têm sido os desafios mais marcantes para as Filhas de Jesus nas últimas décadas de sua história?

Irmã Regina Stella: Impulsionada pelas orientações do Concílio Ecumênico Vaticano II, a Congregação viveu um tempo de muitas buscas e respostas aos seus desafios, entre eles:

  1. A opção preferencial pelos pobres;
  2. O fortalecimento da missão com outras parcerias;
  3. A presença urgente e significativa junto às juventudes e grupos sociais necessitados;
  4. A atenção constante às realidades em sua diversidade.

OE: Depois de tantos anos vividos na Congregação, o que mais gostaria de deixar registrado aqui?

Irmã Regina Stella: Tenho muito agradecimento a Deus, à Congregação e aos meus pais, que durante muitos anos partilharam comigo a alegria de ser Filha de Jesus.

 

Ouça essa entrevista na voz da própria Irmã Regina Stella de Castro Queiróz.

Anúncios