Entre os desafios da evangelização no contexto atual, já apontados nos grandes documentos da Igreja desde o Concílio Vaticano II, encontra-se a recuperação da centralidade do Batismo, a superação do forte clericalismo e a concretização de rede de comunidades cristãs com membros, de fato, corresponsáveis, participativos e atuantes na missão da Igreja ao Reino de Deus.

Em sintonia com tais desafios, acolhidos como urgências pastorais, a grande Assembleia Arquidiocesana confirmou e aprovou o que já havia sido apontado nas assembleias menores, paroquiais, forâneas e regionais: urge incentivar e consolidar o protagonismo dos leigos e leigas, no dia a dia da vida eclesial e na vida cristã em sociedade.

14711139_568989929956694_6211262497666694063_o

A SEXTA Diretriz recebeu a seguinte redação:

  1. Protagonismo dos leigos e leigas

A Igreja é o Povo de Deus que, à imagem da Trindade, é chamado a ser sinal de unidade e de comunhão na diversidade e na pluralidade de seus membros. Essa realidade deve promover a corresponsabilidade de todos os batizados e batizadas na missão da Igreja.

Por isso, devemos:

  • a) No nível da PESSOA

AMPLIAR a compreensão de que todo o serviço eclesial nasce e se fundamenta na Palavra, promovendo o protagonismo legítimo dos leigos e leigas como Ministros e Ministras da Palavra, na compreensão de que toda ação evangelizadora é ministerial;

  • b) No nível da COMUNIDADE

LEGITIMAR o papel e a participação dos leigos e leigas na comunidade de fé, reconhecendo, de modo especial, a importância do protagonismo das mulheres na Igreja, a fim de que leigos e leigas atuem efetivamente na proposição, na articulação, na decisão e na avaliação das ações pastorais, como critério fundamental para a vida comunitária e para a desclericalização da Igreja arquidiocesana;

  • c) No nível da SOCIEDADE

PROMOVER ações pastorais que viabilizem o engajamento dos leigos e leigas, criando laços de pertença à comunidade de fé, bem como de pertença à comunidade humana, para a realização da missão cristã de anunciar o Reino de Deus e de transformar toda realidade de injustiça e de desigualdade, em sinais da justiça e da fraternidade.

(As palavras com letras maiúsculas e os grifos são do Observatório da Evangelização)

Fonte: Vicariato Episcopal para a Ação Pastoral

Edward Neves Monteiro de Barros Guimarães

Secretário Executivo do Observatório da Evangelização

Anúncios