A evangelização tem uma intrínseca dimensão social, como nos lembra o Papa Francisco na Exortação Apostólica Evangelii Gaudium. No coração do Evangelho encontra-se o projeto salvífico universal do Deus da vida. O próprio Jesus entende a sua missão como o pastor que cuida da vida em plenitude para todos (Cf Jo 10, 10).  A experiência da caminhada da Igreja dos pobres na América Latina, com a rica experiência das Comunidades Eclesiais de Base – CEBs, alicerçou a importância dos movimentos populares de defesa da cidadania e da vida digna para todos. As soluções sociopolíticas e econômicas passam pela soberania e participação popular.

Reproduzimos aqui matéria sobre o importante encontro que aconteceu no Teatro da PUC – SP, no dia 29/05/2017, quando foi lançado um ambicioso “Plano de Emergência” para o Brasil sair mais forte, democrático e justo dessa longa crise em que se encontra. No final, o/a leitor/a tem acesso ao Plano dos movimentos populares na íntegra. Vale a pena, confira:

Frente Brasil Popular lança Plano de Emergência e pede por Diretas Já

Unidade entre movimentos sindicais e populares é fundamental para luta por eleições diretas e contra desmontes de direitos.

Com 77 reivindicações, o plano possui os seguintes eixos norteadores: democratização do Estado; política de desenvolvimento, emprego e renda; reforma agrária e agricultura familiar; reforma tributária; direitos sociais e trabalhistas; direito à saúde, à educação, à cultura e à moradia; segurança pública; direitos humanos e cidadania; defesa do meio-ambiente; e, política externa soberana.

Norma Odara

Brasil de Fato | São Paulo (SP) , 30 de Maio de 2017 às 09:09

 

Com o objetivo de lançar um plano que aponte saídas políticas e econômicas para retirar o Brasil da crise, dezenas de movimentos populares e organizações sindicais e políticas se reuniram na noite dessa segunda-feira (29/05/2017) no Teatro da Pontifícia Universidade Católica, em São Paulo (SP). O ato reuniu representantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), da União Nacional dos Estudantes (UNE), da Central dos Movimentos Populares (CMP), da Central Única dos Trabalhadores (CUT), da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), entre outros; além de diversas outras pessoas que foram acompanhar o que estas organizações propunham para o futuro do país.

O ato oficial de lançamento do Plano Popular de Emergência contou com falas como a de Roberto Amaral, um dos formuladores do documento e ex-ministro de Ciência e Tecnologia. De sua fala merece destaque:

“‘Fora Temer’ não é uma palavra que se encerra em si, ela abre outra ação: ‘Diretas Já’ para eleger um novo governo, comprometido com as forças democráticas”.

Outro ponto enfatizado pelo ex-ministro é a democratização da mídia, que, segundo ele, teve poucos avanços durante os “13 anos de governo de esquerda”. Em seu ponto de vista:

“Temos uma mídia que não faz jornalismo, um partido político de direita, o monopólio da informação. Ela simboliza tudo que há de porcaria na imprensa brasileira. Não há diferença entre um jornal e outro, porque todos repetem a mesma coisa”.

A democratização do Judiciário foi outro ponto da luta por democracia que Amaral abordou em sua fala. Para ele, hoje:

“a Lava Jato e outras [operações] mostram que ele [Judiciário] não é isento, [mas] é parcial e corrupto também”.

A defesa da bandeira das Diretas Já também foi o eixo central da fala de João Pedro Stedile, coordenador nacional do MST, que reforçou o compromisso público da Frente Brasil Popular junto às brasileiras e aos brasileiros e na resistência e mobilização do povo na rua. Disse que:

“Por parte do MST, nós estamos preparando nossos pelotões. Nós vamos organizar uma marcha para Brasília e só vamos voltar de lá depois das Diretas Já”.

Poder e unidade popular

A unidade entre os movimentos e a soberania popular também esteve presente nas falas do presidente da CUT, Vagner Freitas, e da presidenta da UNE, Carina Vitral. Além da unidade, Vitral enfatizou a importância do fomento à ciência e à tecnologia, bem como do incentivo à educação pública de qualidade. Segundo a jovem:

“Precisamos de financiamento para a educação pública, porque é nela que a gente pode construir uma educação emancipadora”.

Ainda no caminho da mobilização popular, a próxima greve geral foi anunciada pelo presidente da CUT. Ainda sem definição, a proposta das Centrais Sindicais é de que a paralisação ocorra em alguma data entre os dias 26 e 30 de junho. Vagner analisou ainda que o cenário atual se deve pelo fato de que:

“a direita não pôde nos vencer nas urnas, então tentou através de golpe… Eles querem que a classe trabalhadora pague a conta da crise econômica com essa ‘desrreforma’ da Previdência e do trabalho”.

Para o ex-prefeito da cidade de São Paulo, Fernando Haddad (PT), mais um dos participantes do lançamento na capital paulista:

“Não haverá paz sem justiça, e a justiça se faz com justiça social e com o povo”.

Por sua vez, o ator Sérgio Mamberti, ressaltou que o lançamento do Plano de Emergência em Brasília será no dia 6 de junho, no Teatro dos Bancários local.

Contribuição

Formulado no interior da Frente Brasil Popular, o plano traz 77 reivindicações agrupadas  nos seguintes eixos: 

  1. democratização do Estado;
  2. política de desenvolvimento, emprego e renda;
  3. reforma agrária e agricultura familiar;
  4. reforma tributária;
  5. direitos sociais e trabalhistas;
  6. direito à saúde, à educação, à cultura e à moradia;
  7. segurança pública;
  8. direitos humanos e cidadania;
  9. defesa do meio-ambiente; 
  10. política externa soberana.

 

Confira o Plano Popular de emergência na íntegra: Clique aqui

Edição: Vivian Fernandes

(os grifos são nossos)

Fonte:

Brasil de Fato

Anúncios