A Igreja no Brasil lhe deve muito. Muitíssimo! Todos os documentos da CNBB, nos últimos 30 anos, têm a participação de padre Alberto. Seu trabalho no Projeto Pastoral Construir a Esperança, inclusive, inspirou a CNBB nos projetos de evangelização nos períodos de 1998-2000 e 2001-2003.

Da mesma forma como ele conseguia mobilizar a Igreja através de seus pensamentos e palavras, também agora, com sua morte, ele conseguiu sacudir o país inteiro. Desde o dia de sua morte, venho recebendo mensagens e telefonemas dos quatro cantos do Brasil, de pessoas que o admiravam, que o tinham como amigo, que lhe queriam bem.

As palavras acima, de Dom Serafim Fernandes de Araújo, arcebispo emérito de Belo Horizonte que acompanhou muito de perto o padre Alberto Antoniazzi, nos traz um pouco do teor e da dimensão do trabalho desse homem que engendrou uma nova face para nossa Igreja.

O Observatório da Evangelização teve a oportunidade de entrevistar monsenhor Éder Amantéa, com quem padre Alberto viveu seus últimos meses, quando já estava debilitado por um câncer que o levaria em dezembro de 2004. Registramos, com gratidão, esse histórico depoimento em três vídeos, os quais lhes apresentamos neste momento em que celebramos os 13 anos de sua partida para abraçar o Criador.

Padre Éder nos conta de sua convivência com o amigo: como o conheceu; seu incansável trabalho do qual nasceu o Projeto Pastoral Construir a Esperança (PPCE); seu empenho em trabalhar pela revitalização da vida presbiteral à luz dos documentos da Igreja (do Concílio Vaticano II, das Conferências de Medellín e de Puebla); sua disponibilidade para atender demandas de dioceses diversas e, principalmente, assessorar a própria CNBB em aspectos pastorais; sua presença no Sínodo sobre a Catequese; sua convivência afetuosa com outros intelectuais… 

Por fim, nesse depoimento sensível e próximo, padre Éder afirma que Alberto Antoniazzi foi um “presente da Igreja de Milão à Igreja de Belo Horizonte”, o que nos ajuda a entender a proximidade de padre Alberto ao Papa Paulo VI…

Para entender a beleza com que foi tecida a teia daquela saudosa vida, assista a primeira parte de nossa entrevista. Há, mesmo, homens que são imprescindíveis!

Professora Tânia Jordão.

Anúncios