Ansiamos por uma Igreja autêntica! Queremos uma Igreja menos severa; que assuma rapidamente seus erros; sem tanto moralismo. Que dê respostas claras às questões de nosso tempo; saiba se relacionar com as novas tecnologias e vá lá onde estamos; queremos ter voz na Igreja, ser incluídas e incluídos nos processos de decisão e esperamos que a Igreja dê espaço para o feminino em seu seio. Assim se expressaram os jovens no documento entregue ontem ao Papa Francisco, ao final do Encontro pré-sinodal.

O Papa havia pedido sinceridade aos jovens e lhes propôs que enfrentassem quaisquer temas. A resposta foi pronta e clara. Com liberdade afirmaram: “Queremos externar, particularmente à hierarquia eclesiástica, o nosso pedido de uma comunidade transparente, acolhedora, honesta, comunicativa, acessível, alegre e interativa. Uma Igreja credível é precisamente aquela que não tem medo de mostrar que é vulnerável”.

As juventudes reunidas em Roma, desde o dia 19 de março, também clamaram para que a Igreja adote uma nova linguagem. Se quer ser “em saída” sua linguagem terá que ser relacional, partir dos usos e costumes das juventudes para chegar a todas e todos através de instrumentos adequados. Eram  300 jovens representando o mundo todo, além de outros 15 mil que participaram através de grupos no Facebook.

Eis o interpelativo documento, na íntegra:

 

SÍNODO DE BISPOS
XV ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA
“JOVENS, A FÉ E DISCERNIMENTO VOCACIONAL”

REUNIÃO PRÉ-SINODAL

Roma, 19 a 24 de março de 2018

Documento

INTRODUÇÃO

O jovem de hoje é confrontado com uma série de desafios e oportunidades externas e internas, muitas das quais são específicas para os seus contextos individuais e algumas são partilhadas entre continentes. À luz disso, é necessário que a Igreja examine a maneira como pensa e se relaciona com os jovens, a fim de ser um guia eficaz, relevante e vivificante durante toda a vida.

Este documento é uma plataforma sintetizada para expressar alguns dos nossos pensamentos e experiências. É importante notar que estas são as reflexões de jovens do século 21 de várias origens religiosas e culturais. Com isso em mente, a Igreja deveria ver essas reflexões não como uma análise empírica de qualquer outra época do passado, mas como uma expressão de onde estamos agora, para onde estamos indo e como um indicador do que ela precisa fazer em movimento. frente.

É importante no início esclarecer os parâmetros deste documento. Não é para compor um tratado teológico, nem para estabelecer um novo ensinamento da Igreja. Pelo contrário, é uma declaração que reflete as realidades específicas, personalidades, crenças e experiências dos jovens do mundo. Este documento é destinado aos Padres Sinodais. Isto é para dar aos Bispos uma bússola, apontando para uma compreensão mais clara dos jovens: uma ajuda de navegação para o próximo Sínodo dos Bispos sobre “Jovens, a Fé e o Discernimento Vocacional” em outubro de 2018. É importante que essas experiências sejam vistos e entendidos de acordo com os vários contextos em que os jovens estão situados.

Estas reflexões foram corroboradas pelo encontro de mais de 300 jovens representantes de todo o mundo, reunidos em Roma, de 19 a 24 de março de 2018, na primeira reunião pré-sinodal de jovens e a participação de 15.000 jovens engajados on-line através do Facebook. grupos.

O documento é entendido como um resumo de todas as contribuições de nossos participantes com base no trabalho de 20 grupos de idiomas e 6 das mídias sociais. Esta será uma fonte, entre outras, que contribuirá para o Instrumentum Laboris para o Sínodo dos Bispos de 2018. É nossa esperança que a Igreja e outras instituições possam aprender com o processo deste Encontro Pré-Sinodal e ouvir as vozes de Jovens.

Entendendo isso, podemos, portanto, avançar para explorar com abertura e fé onde o jovem está situado hoje, onde o jovem vê a si mesmo em relação aos outros e como nós, como Igreja, podemos acompanhar melhor os jovens em direção a uma compreensão mais profunda. de si e do seu lugar no mundo .

papa-francisco-e-jovens

 

Parte um

Os Desafios e Oportunidades dos Jovens no Mundo Hoje

1. A formação da personalidade

Os jovens buscam um senso de identidade buscando comunidades que sejam sustentadoras, edificantes, autênticas e acessíveis: comunidades que os capacitem. Reconhecemos lugares que são úteis para o desenvolvimento de sua personalidade, ou seja, a família, que ocupa uma posição privilegiada. Em muitas partes do mundo, o papel dos anciãos e a reverência pelos ancestrais são fatores que contribuem para a formação de suas identidades. No entanto, isso não é compartilhado universalmente, pois os modelos familiares tradicionais em outros lugares estão em declínio. Isso leva os jovens a sofrer também. Alguns jovens se afastam de suas tradições familiares, na esperança de serem mais originais do que o que vêem como “presos no passado” e “antiquados”. Por outro lado, em algumas partes do mundo,

A Igreja, portanto, precisa apoiar melhor as famílias e sua formação. Isto é especialmente relevante em alguns países sem liberdade de expressão onde os jovens – particularmente os menores – são impedidos de frequentar a igreja e, como tal, devem ser formados na fé em casa pelos pais.

Um sentimento de pertença é um fator significativo para a formação da identidade de alguém. A exclusão social é um fator que contribui para a perda de auto-estima e identidade experimentada por muitos. No Oriente Médio, muitos jovens se sentem obrigados a se converter a outras religiões para serem aceitos por seus pares e pela cultura dominante ao redor. Isso também é sentido de forma aguda pelas comunidades de imigrantes na Europa, que também sentem as pressões da exclusão social e a pressão para abandonar sua identidade cultural e assimilar a cultura dominante. Esta é uma área onde a Igreja precisa modelar e fornecer espaço para a cura para nossas famílias, respondendo a essas questões mostrando que há espaço para todos.

Vale a pena notar que a identidade do jovem também é moldada pela nossa interação externa e participação em grupos específicos, associações e movimentos que também são ativos fora da Igreja. Às vezes, as paróquias não são mais locais de conexão. Também reconhecemos o papel dos educadores e amigos, como líderes de grupos de jovens que podem se tornar bons exemplos. Precisamos encontrar modelos atraentes, coerentes e autênticos. Precisamos de explicações racionais e críticas para questões complexas – respostas simplistas não são suficientes.

Para alguns, a religião é agora considerada um assunto privado. Às vezes, sentimos que o sagrado parece ser algo separado de nossas vidas diárias. A Igreja muitas vezes aparece como muito severa e é freqüentemente associada com excessivo moralismo. Às vezes, na Igreja, é difícil superar a lógica de “sempre foi feito assim”. Precisamos de uma Igreja que seja acolhedora e misericordiosa, que valorize suas raízes e seu patrimônio e que ame a todos, mesmo aqueles que não estão seguindo os padrões percebidos. Muitos daqueles que buscam uma vida pacífica acabam dedicando-se a filosofias ou experiências alternativas.

Outros lugares-chave de pertencimento são grupos como redes sociais, amigos e colegas de classe, bem como nossos ambientes sociais e naturais. Estes são lugares onde muitos de nós passam a maior parte do nosso tempo. Muitas vezes, nossas escolas não nos ensinam a desenvolver nosso pensamento crítico.

Momentos cruciais para o desenvolvimento de nossa identidade incluem: decidir nosso curso, escolher nossa profissão, decidir nossas crenças, descobrir nossa sexualidade e assumir compromissos que mudam nossa vida.

Outras coisas que podem moldar e afetar a formação de nossas identidades e personalidades são nossas experiências com a Igreja. Os jovens são profundamente envolvidos e preocupados com temas como sexualidade, vício, casamentos fracassados, famílias desmembradas, bem como questões sociais em larga escala, como crime organizado, tráfico humano, violência, corrupção, exploração, feminicídio, todas as formas de perseguição e a degradação do nosso ambiente natural. Estes são de grande preocupação em comunidades vulneráveis ​​em todo o mundo. Temos medo porque em muitos dos nossos países existe instabilidade social, política e econômica.

Ao lidarmos com esses desafios, precisamos da inclusão, bem-estar, misericórdia e ternura da Igreja – tanto como instituição quanto como comunidade de fé.

2. Relacionamento com outras pessoas

Os jovens estão tentando entender um mundo muito complexo e diversificado. Temos acesso a novas possibilidades para superar diferenças e divisões no mundo, mas isso está sendo realizado em diferentes realidades e em graus variados. Muitos jovens estão habituados a ver a diversidade como uma riqueza e a encontrar oportunidades no mundo pluralista. O multiculturalismo tem o potencial de facilitar um ambiente de diálogo e tolerância. Valorizamos a diversidade de idéias em nosso mundo globalizado, o respeito pelos pensamentos dos outros e pela liberdade de expressão. Ainda assim, queremos preservar nossa identidade cultural e evitar a uniformidade e uma cultura descartável. Não devemos temer nossa diversidade, mas celebrar nossas diferenças e o que torna cada um de nós único. Às vezes, nos sentimos excluídos por sermos cristãos em um ambiente social que é adverso à religião.

Em alguns países, a fé cristã é uma minoria enquanto outra religião é dominante. Países com raízes cristãs tendem hoje a rejeitar gradualmente a Igreja e a religião. Alguns jovens estão tentando dar sentido à fé em uma sociedade cada vez mais secular, onde a liberdade de consciência e a religião estão sob ataque. O racismo em diferentes níveis afeta jovens em diferentes partes do mundo. Ainda há uma oportunidade para a Igreja propor outro “caminho” para os jovens viverem suas vidas, mas isso precisa ser feito dentro de estruturas sociais muitas vezes complicadas.

Desta forma, muitas vezes é difícil para os jovens ouvirem a mensagem do Evangelho. Isso é acentuado em lugares onde as tensões entre os povos podem se tornar muito comuns, apesar de uma apreciação geral da diversidade. Atenção especial deve ser dada aos nossos irmãos e irmãs cristãos que são perseguidos em todo o mundo. Recordamos as nossas raízes cristãs no sangue dos mártires e enquanto rezamos pelo fim de toda a perseguição, somos gratos pelo seu testemunho de fé no mundo. Além disso, ainda não há um consenso vinculativo sobre a questão de acolher migrantes e refugiados, ou sobre as questões que causam o fenômeno em primeiro lugar. Isto apesar do reconhecimento do chamado universal para cuidar da dignidade de cada pessoa humana.

Em um mundo globalizado e inter-religioso, a Igreja precisa não apenas modelar, mas também elaborar orientações teológicas já existentes para um diálogo pacífico e construtivo com pessoas de outras religiões e tradições.

3. Jovens e o Futuro

Os jovens sonham com segurança, estabilidade e realização. Muitos esperam uma vida melhor para suas famílias. Em muitos lugares do mundo, isso significa procurar segurança física; para outros, isso se relaciona mais especificamente a encontrar um bom emprego ou um estilo de vida específico. Um sonho comum entre continentes e oceanos é o desejo de encontrar um lugar onde o jovem possa sentir que ele ou ela pertence.

Nós vislumbramos maiores oportunidades, de uma sociedade que seja coerente e confie em nós. Procuramos ser ouvidos e não apenas ser espectadores na sociedade, mas participantes ativos. Buscamos uma Igreja que nos ajude a encontrar nossa vocação, em todos os sentidos. Além disso, infelizmente nem todos nós acreditamos que a santidade é algo viável e que é um caminho para a felicidade. Precisamos revitalizar o senso de comunidade que nos leva a um sentimento de pertença.

Algumas preocupações práticas tornam nossa vida difícil. Muitos jovens experimentaram grandes traumas de várias maneiras. Muitos ainda sofrem sob o peso de doenças mentais e deficiências físicas. A Igreja precisa nos apoiar melhor e fornecer caminhos para nos ajudar em nossa cura. Em algumas partes do mundo, a única maneira de alcançar um futuro seguro é receber educação superior ou trabalhar excessivamente. Embora este seja um padrão comum, nem sempre é possível devido a uma variedade de circunstâncias em que os jovens se encontram. Essa ideia é uma noção predominante e, consequentemente, afetou nossa compreensão do trabalho. Apesar dessa realidade, os jovens desejam afirmar a dignidade inerente ao trabalho. Às vezes, acabamos descartando nossos sonhos. Estamos com muito medo e alguns de nós pararam de sonhar. Isso é visto nas muitas pressões socioeconômicas que podem drenar seriamente o senso de esperança entre os jovens. Às vezes, nem sequer tivemos a oportunidade de continuar sonhando.

Por esta razão, os jovens procuram envolver-se e abordar as questões de justiça social do nosso tempo. Buscamos a oportunidade de trabalhar para construir um mundo melhor. Nesse sentido, o Ensino Social Católico é uma ferramenta particularmente informativa para os jovens católicos que também desejam exercer essa vocação. Queremos um mundo de paz, que harmonize a ecologia integral com uma economia global sustentável. Para os jovens que vivem em regiões instáveis ​​e vulneráveis ​​do mundo, há esperança e expectativa de ações concretas dos governos e da sociedade: o fim da guerra e da corrupção, abordando as mudanças climáticas, as desigualdades sociais e a segurança. O que é importante notar é que, independentemente do contexto, todos compartilham o mesmo desejo inato pelos ideais mais elevados: paz, amor, confiança, equidade, liberdade e justiça.

Os jovens sonham com uma vida melhor, mas muitos são obrigados a emigrar para encontrar uma situação econômica e ambiental melhor. Eles esperam pela paz e são especialmente atraídos pelo “mito ocidental”, como retratado pela mídia. Os jovens africanos sonham com uma igreja local autoconfiante, que não requer ajuda para alimentar a dependência, mas que é um contribuinte que dá vida às suas comunidades. Apesar das muitas guerras e surtos intermitentes de violência, os jovens continuam esperançosos. Em muitos países ocidentais, seus sonhos estão centrados no desenvolvimento pessoal e na auto-realização.

Em muitos lugares existe uma grande lacuna entre os desejos dos jovens e sua capacidade de tomar decisões de longo prazo.

4. Relacionamento com Tecnologia

Ao se referir à tecnologia, deve-se entender a dualidade de sua aplicação. Embora os avanços modernos na tecnologia tenham melhorado muito nossas vidas, é preciso ser prudente com seu uso. Como com todas as coisas, a aplicação imprudente pode ter consequências negativas. Embora a tecnologia tenha, para alguns, aumentado nossos relacionamentos, para muitos outros ela assumiu a forma de um vício, tornando-se um substituto para o relacionamento humano e até para Deus. Independentemente disso, a tecnologia é agora uma parte permanente da vida dos jovens e deve ser entendida como tal. Paradoxalmente, em alguns países, a tecnologia e particularmente a internet são acessíveis, enquanto as necessidades e serviços mais básicos ainda são escassos.

O impacto das mídias sociais na vida dos jovens não pode ser subestimado. A mídia social é uma parte significativa da identidade e do modo de vida dos jovens. Os ambientes digitais têm um grande potencial para unir pessoas em distâncias geográficas como nunca antes. A troca de informações, ideais, valores e interesses comuns é agora mais possível. O acesso a ferramentas de aprendizado online abriu oportunidades educacionais para jovens em áreas remotas e trouxe o conhecimento do mundo para os dedos.

A duplicidade de tecnologia, no entanto, torna-se evidente quando leva ao desenvolvimento de certos vícios. Este perigo se manifesta através do isolamento, preguiça, desolação e tédio. É evidente que os jovens de todo o mundo estão obsessivamente consumindo produtos de mídia. Apesar de viver em um mundo hiperconectado, a comunicação entre jovens permanece limitada àqueles que são semelhantes a eles. Há falta de espaços e oportunidades para encontrar a diferença. A cultura da mídia de massa ainda exerce muita influência sobre a vida e os ideais dos jovens. Com o advento das mídias sociais, isso levou a novos desafios sobre até que ponto as novas empresas de mídia têm poder sobre as vidas dos jovens.

Muitas vezes, os jovens tendem a separar seu comportamento em ambientes on-line e off-line. É necessário oferecer formação aos jovens sobre como viver suas vidas digitais. Relacionamentos on-line podem se tornar desumanos. Os espaços digitais nos cegam para a vulnerabilidade de outro ser humano e nos impedem de nossa própria auto-reflexão. Problemas como a pornografia distorcem a percepção do jovem sobre a sexualidade humana. A tecnologia usada dessa maneira cria uma realidade paralela ilusória que ignora a dignidade humana.

Outros riscos incluem: a perda de identidade ligada a uma deturpação da pessoa, uma construção virtual da personalidade e a perda da presença social fundamentada. Além disso, os riscos a longo prazo incluem: a perda de memória, cultura e criatividade, antes do imediatismo do acesso à informação e uma perda de concentração ligada à fragmentação. Além disso, existe uma cultura e ditadura das aparências.

A conversa sobre tecnologia não se limita à internet. No campo da bioética, a tecnologia coloca novos desafios e riscos em relação à segurança da vida humana em todos os estágios. O advento da inteligência artificial e novas tecnologias, como a robótica e a automação, oferecem riscos às oportunidades de emprego para as comunidades da classe trabalhadora. A tecnologia pode ser prejudicial para a dignidade humana se não for usada com consciência e cautela e se a dignidade humana não estiver no centro de seu uso.

Oferecemos duas propostas concretas sobre tecnologia. Primeiro, ao envolver-se em um diálogo com os jovens, a Igreja deve aprofundar sua compreensão da tecnologia para nos ajudar a discernir seu uso. Além disso, a Igreja deveria ver a tecnologia – particularmente a internet – como um lugar fértil para a Nova Evangelização. Os resultados dessas reflexões devem ser formalizados por meio de um documento oficial da Igreja. Em segundo lugar, a Igreja deve abordar a crise generalizada da pornografia, incluindo o abuso infantil online, bem como o cyberbullying e o impacto que isso causa à nossa humanidade.

5. Procure por significado na vida

Muitos jovens, ao fazerem a pergunta “Qual é o significado da sua vida?”, Não sabem como responder. Eles nem sempre fazem a conexão entre a vida e a transcendência. Muitos jovens, tendo perdido a confiança nas instituições, tornaram-se desfiliadas à religião organizada e não se consideravam “religiosos”. No entanto, os jovens estão abertos ao espiritual.

Muitos também lamentam quão raramente os jovens buscam as respostas para o significado da vida no contexto da fé e da igreja. Em muitos lugares do mundo, os jovens atribuem sentido às suas vidas através do seu trabalho e sucesso pessoal. A dificuldade de encontrar estabilidade nessas áreas produz insegurança e ansiedade. Muitos precisam migrar para encontrar um bom lugar para trabalhar. Outros, devido à instabilidade econômica, abandonam a família e a cultura.

Finalmente, outros observaram que, embora os jovens possam fazer perguntas sobre o sentido da vida, isso nem sempre significa que eles estão prontos para se comprometerem decisivamente com Jesus ou com a Igreja. Hoje, a religião não é mais vista como a corrente principal através da qual um jovem procura por significado, já que muitas vezes recorrem a outras correntes e ideologias modernas. Os escândalos atribuídos à Igreja – tanto reais quanto percebidos – afetam a confiança dos jovens na Igreja e nas instituições tradicionais em que ela se encontra.

A Igreja pode desempenhar um papel vital para garantir que esses jovens não sejam marginalizados, mas se sintam aceitos. Isto pode acontecer quando procuramos promover a dignidade das mulheres, tanto na Igreja como na sociedade em geral. Hoje, existe um problema geral na sociedade em que as mulheres ainda não recebem um lugar igual. Isso também é verdade na Igreja. Há grandes exemplos de mulheres servindo em comunidades religiosas consagradas e em papéis de liderança leigos. No entanto, para algumas mulheres jovens, esses exemplos nem sempre são visíveis. Uma questão chave surge dessas reflexões; Quais são os lugares onde as mulheres podem florescer dentro da Igreja e da sociedade? A Igreja pode abordar esses problemas com discussões reais e abertura de idéias e experiências diferentes.

Muitas vezes há um grande desacordo entre os jovens, tanto dentro da Igreja quanto no resto do mundo, sobre alguns de seus ensinos que são especialmente controversos hoje em dia. Exemplos destes incluem: contracepção, aborto, homossexualidade, coabitação, casamento e como o sacerdócio é percebido em diferentes realidades da Igreja. O que é importante notar é que, independentemente do seu nível de compreensão do ensino da Igreja, ainda há discordância e discussão contínua entre os jovens sobre essas questões polêmicas. Como resultado, eles podem querer que a Igreja mude seu ensino ou, pelo menos, tenha acesso a uma explicação melhor e a mais formação sobre essas questões. Embora haja um debate interno, jovens católicos cujas convicções estão em conflito com o ensino oficial ainda desejam fazer parte da Igreja. Muitos jovens católicos aceitam esses ensinamentos e encontram neles uma fonte de alegria. Eles desejam que a Igreja não apenas se apegue a eles em meio à impopularidade, mas também os proclame com maior profundidade de ensino.

Em todo o mundo, a relação com o sagrado é complicada. O cristianismo é freqüentemente visto como algo que pertenceu ao passado e seu valor ou relevância para nossas vidas não é mais compreendido. Enquanto isso, em certas comunidades, a prioridade é dada ao sagrado, já que a vida cotidiana é estruturada em torno da religião. Em alguns contextos asiáticos, o significado da vida pode ser associado às filosofias orientais.

Em última análise, muitos de nós querem conhecer Jesus, mas muitas vezes lutam para perceber que somente Ele é a fonte da verdadeira autodescoberta, pois é em um relacionamento com Ele que a pessoa humana acaba descobrindo a si mesma. Assim, descobrimos que os jovens querem testemunhas autênticas – homens e mulheres que expressam sua fé e relacionamento com Jesus enquanto encorajam outros a se aproximarem, se encontrarem e se apaixonarem por Jesus.

Parte dois

Fé e vocação, discernimento e acompanhamento

É uma alegria e uma responsabilidade sagrada acompanhar os jovens em seu caminho de fé e discernimento. Os jovens são mais receptivos a uma “literatura da vida” do que um discurso teológico abstrato; são conscientes e receptivos e também estão comprometidos em estar ativamente engajados no mundo e na Igreja. Para tanto, é importante entender como os jovens percebem a fé e a vocação e os desafios que enfrentam seu discernimento.

6. Jovens e Jesus

A relação dos jovens com Jesus é tão variada quanto o número de jovens nessa terra. Há muitos jovens que conhecem e têm um relacionamento com Jesus como seu Salvador e Filho de Deus. Além disso, os jovens freqüentemente encontram proximidade com Jesus através de Sua Mãe, Maria. Outros podem não ter esse relacionamento com Jesus, mas vê-lo como um líder moral e um homem bom. Muitos jovens percebem Jesus como uma figura histórica, de certo tempo e cultura, que não é relevante para suas vidas. Outros ainda o percebem como distante da experiência humana, que para eles é uma distância perpetuada pela Igreja. Falsas imagens de Jesus que alguns jovens possuem muitas vezes os levam a não serem atraídos por ele. Ideais errôneos de cristãos-modelo sentem-se fora do alcance da pessoa comum e, portanto, também as regras estabelecidas pela Igreja.

Uma maneira de reconciliar as confusões que os jovens têm sobre quem é Jesus envolve um retorno às Escrituras para compreender mais profundamente a pessoa de Cristo, Sua vida e Sua humanidade. Os jovens precisam encontrar a missão de Cristo, não o que podem perceber como uma expectativa moral impossível. No entanto, eles se sentem inseguros sobre como fazer isso. Esse encontro precisa ser promovido nos jovens, o que precisa ser tratado pela Igreja.

7. Fé e Igreja

Para muitos jovens, a fé tornou-se privada e não comunitária, e as experiências negativas que alguns jovens tiveram com a Igreja contribuíram para isso. Há muitos jovens que se relacionam com Deus unicamente em um nível pessoal, que são “espirituais, mas não religiosos” ou focalizam apenas um relacionamento com Jesus Cristo. Para alguns jovens, a Igreja desenvolveu uma cultura que se concentra fortemente em membros engajados com o aspecto institucional de si mesma, não a pessoa de Cristo. Outros jovens vêem os líderes religiosos como desconectados e mais focados na administração do que na construção da comunidade, e outros ainda veem a Igreja como irrelevante. Pode parecer que a Igreja esquece que as pessoassão a Igreja, não o edifício. Para outros jovens, eles experimentam a Igreja como muito próxima deles, em lugares como a África, a Ásia e a América Latina, bem como em diferentes movimentos globais; até mesmo alguns jovens que não vivem o Evangelho sentem-se ligados à Igreja. Esse sentimento de pertencimento e família sustenta esses jovens em sua jornada. Sem essa âncora de apoio e pertença da comunidade, os jovens podem se sentir isolados diante dos desafios. Há muitos jovens que não sentem a necessidade de fazer parte da comunidade da Igreja e que encontram sentido em sua vida fora da Igreja.

Infelizmente, há um fenômeno em algumas áreas do mundo onde os jovens estão deixando a Igreja em grandes quantidades. Compreender porque é crucial para avançar. Os jovens que estão desconectados ou que deixam a Igreja o fazem depois de experimentar indiferença, julgamento e rejeição. Alguém poderia participar, participar e deixar a missa sem experimentar um senso de comunidade ou família como o Corpo de Cristo. Os cristãos professam um Deus vivo, mas alguns freqüentam missas ou pertencem a comunidades que parecem mortas. Os jovens são atraídos pela alegria que deve ser uma marca da nossa fé. Os jovens expressam o desejo de ver uma Igreja que seja um testemunho vivo do que ensina e testemunhe a autenticidade no caminho da santidade, que inclui reconhecer os erros e pedir perdão. Os jovens esperam que os líderes da Igreja – ordenados, religiosos e leigos – sejam o exemplo mais forte disso. Saber que os modelos de fé são autênticos e vulneráveis ​​permite que os jovens sejam livremente autênticos e vulneráveis. Não é para destruir a santidade do seu ministério, mas para que os jovens possam ser inspirados por eles no caminho da santidade.

Em muitas ocasiões, os jovens têm dificuldade em encontrar um espaço na Igreja onde possam participar ativamente e liderar. Os jovens interpretam sua experiência da Igreja como uma em que são considerados jovens e inexperientes demais para liderar ou tomar decisões, pois só cometerão erros. Há uma necessidade de confiança nos jovens para liderar e ser protagonistas da sua própria jornada espiritual. Isso não é apenas para imitar os mais velhos, mas para realmente se apropriar de sua missão e responsabilidade, viveu bem. Movimentos e novas comunidades na Igreja desenvolveram formas frutíferas de não apenas evangelizar os jovens, mas também capacitá-los para serem os principais embaixadores da fé em seus pares.

Outra percepção comum que muitos jovens têm é um papel pouco claro das mulheres na Igreja. Se é difícil para os jovens sentirem um sentimento de pertença e liderança na Igreja, é muito mais para as mulheres jovens. Para esse fim, seria útil para os jovens se a Igreja não apenas declarasse claramente o papel das mulheres, mas também ajudasse os jovens a explorá-las e entendê-las com mais clareza.

8. O sentido vocacional da vida

Há uma necessidade de uma compreensão simples e clara da vocação para destacar o sentido do chamado e da missão, o desejo e a aspiração, o que torna um conceito mais relacionável para os jovens nesta fase de suas vidas. “Vocação” às vezes tem sido apresentado como um conceito abstrato, percebido como muito longe do alcance das mentes de muitos. Os jovens compreendem o sentido geral de dar sentido à vida e estar vivos para um propósito, mas muitos não sabem como conectar isso à vocação como dom e chamado de Deus.

O termo “vocação” tornou-se sinônimo do sacerdócio e da vida religiosa na cultura da Igreja. Embora estes sejam chamados sagrados que devem ser celebrados, é importante que os jovens saibam que sua vocação é em virtude de sua vida, e que cada pessoa tem a responsabilidade de discernir o que Deus os chama a ser e a fazer. Há uma plenitude em cada vocação que deve ser destacada para abrir os corações dos jovens às suas possibilidades.

Jovens de várias crenças vêem a vocação como inclusiva da vida, amor, aspiração, lugar e contribuição para o mundo, e maneira de causar impacto. O termo vocação não é muito claro para muitos jovens; Por isso, há necessidade de maior compreensão da vocação cristã (o sacerdócio e a vida religiosa, o ministério leigo, o matrimônio e a família, o papel na sociedade, etc.) e o chamado universal à santidade.

9. Discernimento Vocacional

Discernir a vocação pode ser um desafio, especialmente à luz de equívocos sobre o termo. No entanto, os jovens enfrentarão o desafio. Discernir a vocação pode ser uma aventura ao longo da jornada da vida. Dito isto, muitos jovens não sabem como proceder intencionalmente ao processo de discernimento; esta é uma oportunidade para a Igreja acompanhá-los.

Muitos fatores influenciam a capacidade dos jovens de discernir suas vocações, tais como: a Igreja, diferenças culturais, demandas de trabalho, mídia digital, expectativas familiares, saúde mental e estado de espírito, ruído, pressões de colegas, cenários políticos, sociedade, tecnologia. Gastar tempo em silêncio, introspecção e oração, bem como ler as Escrituras e aprofundar o autoconhecimento são oportunidades que poucos jovens exercem. Há necessidade de uma melhor introdução a estas áreas. O envolvimento com grupos religiosos, movimentos e comunidades que pensam da mesma maneira também pode ajudar os jovens em seu discernimento.

Reconhecemos, em particular, os desafios únicos que as jovens enfrentam quando discernem sua vocação e seu lugar na Igreja. Assim como o “sim” de Maria ao chamado de Deus é fundamental para a experiência cristã, as jovens de hoje precisam de espaço para dar seu próprio “sim” à sua vocação. Encorajamos a Igreja a aprofundar sua compreensão do papel das mulheres e a capacitar as mulheres jovens, leigas e consagradas, no espírito do amor da Igreja por Maria, a mãe de Jesus.

10. Jovens e Acompanhamento

Os jovens estão à procura de companheiros na jornada, para serem abraçados por homens e mulheres fiéis que expressam a verdade e permitem que os jovens expressem sua compreensão da fé e de sua vocação. Tais pessoas não precisam ser modelos de fé para imitar, mas sim testemunhos vivos para testemunhar. Tal pessoa deve evangelizar por sua vida. Sejam eles rostos familiares no conforto de casa, colegas da comunidade local ou mártires atestando sua fé com suas próprias vidas, muitos podem atender a essa expectativa.

As qualidades desse mentor incluem: um cristão fiel que se envolve com a Igreja e o mundo; alguém que constantemente busca a santidade; é um confidente sem julgamento; escuta ativamente as necessidades dos jovens e responde em espécie; é profundamente amoroso e autoconsciente; reconhece seus limites e conhece as alegrias e tristezas da jornada espiritual.

Uma qualidade especialmente importante em um mentor é o reconhecimento de sua humanidade – que eles são seres humanos que cometem erros: não são pessoas perfeitas, mas perdoam os pecadores. Às vezes os mentores são colocados em um pedestal e, quando caem, a devastação pode afetar a capacidade dos jovens de continuar a se envolver com a Igreja.

Os mentores não devem liderar os jovens como seguidores passivos, mas caminhar ao lado deles, permitindo que eles sejam participantes ativos na jornada. Eles devem respeitar a liberdade que acompanha o processo de discernimento de um jovem e equipá-lo com ferramentas para fazê-lo bem. Um mentor deve acreditar sinceramente na capacidade de um jovem de participar da vida da Igreja. Um mentor deve nutrir as sementes da fé nos jovens, sem esperar ver imediatamente os frutos da obra do Espírito Santo. Este papel não é e não pode ser limitado aos sacerdotes e à vida consagrada, mas os leigos também devem ter o poder de assumir tal papel. Todos esses mentores devem se beneficiar de estarem bem formados e se envolverem em formação permanente.

Parte três

A atividade formativa e pastoral da Igreja

11. A maneira da igreja

Os jovens de hoje anseiam por uma Igreja autêntica. Queremos dizer, especialmente à hierarquia da Igreja, que eles devem ser uma comunidade transparente, acolhedora, honesta, convidativa, comunicativa, acessível, alegre e interativa.

Uma igreja credível é aquela que não tem medo de se permitir ser vista como vulnerável. A Igreja deve ser sincera em admitir seus erros passados ​​e presentes, que é uma Igreja composta de pessoas que são capazes de erro e incompreensão. A Igreja deve condenar ações como abuso sexual e má administração de poder e riqueza. A Igreja deve continuar a reforçar sua postura de não-tolerância em relação ao abuso sexual dentro de suas instituições e sua humildade aumentará, sem dúvida, sua credibilidade entre os jovens do mundo. Se a Igreja age dessa maneira, então se diferenciará de outras instituições e autoridades que os jovens, na maior parte, já desconfiam.

Ainda mais, a Igreja chama a atenção dos jovens por estar arraigada em Jesus Cristo. Cristo é a verdade que torna a Igreja diferente de qualquer outro grupo mundano com o qual possamos nos identificar. Portanto, pedimos que a Igreja continue a proclamar a alegria do Evangelho com a orientação do Espírito Santo.

Desejamos que a Igreja divulgue esta mensagem através dos modernos meios de comunicação e expressão. Os jovens têm muitas perguntas sobre a fé, mas desejam respostas que não são diluídas, ou que utilizam formulações pré-fabricadas. Nós, a jovem Igreja, pedimos aos nossos líderes que falem em termos práticos sobre assuntos controversos, como homossexualidade e questões de gênero, sobre os quais os jovens já estão discutindo livremente sem tabu. Alguns percebem que a Igreja é “anti-ciência”, então seu diálogo com a comunidade científica também é importante, pois a ciência pode iluminar a beleza da criação. Neste contexto, a Igreja deve também cuidar das questões ambientais, especialmente a poluição. Também desejamos ver uma Igreja que seja compreensiva e alcance aqueles que lutam à margem, os perseguidos e os pobres.

12. Jovens Líderes

A Igreja deve envolver os jovens em seus processos de tomada de decisão e oferecer-lhes mais papéis de liderança. Essas posições precisam estar em nível paroquial, diocesano, nacional e internacional, inclusive em comissão ao Vaticano. Sentimos fortemente que estamos prontos para ser líderes, que podem crescer e ser ensinados pelos membros mais velhos da Igreja, por mulheres e homens religiosos e leigos. Precisamos de jovens programas de liderança para a formação e desenvolvimento contínuo de jovens líderes. Algumas moças sentem que há falta de modelos femininos na Igreja e também desejam dar seus dons intelectuais e profissionais à Igreja. Acreditamos também que os seminaristas e religiosos devem ter uma capacidade ainda maior de acompanhar jovens líderes.

Além da tomada de decisões institucionais, queremos ser uma presença alegre, entusiasta e missionária dentro da Igreja. Também expressamos fortemente o desejo de uma voz criativa proeminente. Essa criatividade muitas vezes se encontra na música, na liturgia e nas artes, mas, no momento, esse é um potencial inexplorado, com o lado criativo da Igreja muitas vezes dominado pelos membros mais antigos da Igreja.

Há também o desejo de comunidades fortes nas quais os jovens compartilhem suas lutas e testemunhos uns com os outros. Em muitos lugares, isso já está acontecendo em iniciativas, movimentos e associações leigas, mas eles querem ser mais apoiados, oficialmente e financeiramente.

A jovem Igreja também olha para fora; os jovens são apaixonados por atividades políticas, civis e humanitárias. Eles querem atuar como católicos na esfera pública para a melhoria da sociedade como um todo. Em todos esses aspectos da vida da Igreja, os jovens desejam ser acompanhados e levados a sério como membros plenamente responsáveis ​​da Igreja.

13. Lugares preferidos

Gostaríamos que a Igreja nos encontrasse nos vários lugares em que atualmente ela tem pouca ou nenhuma presença. Acima de tudo, o lugar em que queremos ser atendidos pela Igreja são as ruas, onde todas as pessoas são encontradas. A Igreja deve tentar encontrar novas maneiras criativas de encontrar pessoas onde elas estejam confortáveis ​​e onde elas naturalmente se socializem: bares, cafés, parques, ginásios, estádios e quaisquer outros centros culturais populares. Consideração também deve ser dada a espaços menos acessíveis, como nas áreas militar, de trabalho e rural. Além desses ambientes, também precisamos da luz da fé em lugares mais difíceis, como orfanatos, hospitais, bairros marginais, regiões devastadas pela guerra, prisões, centros de reabilitação e distritos da luz vermelha.

Embora a Igreja já encontre muitos de nós em escolas e universidades em todo o mundo, queremos ver sua presença nesses lugares de uma maneira mais forte e eficaz. Os recursos não são desperdiçados quando são colocados nessas áreas, pois são os locais onde muitos jovens passam a maior parte do tempo e freqüentemente se envolvem com pessoas de diferentes origens socioeconômicas. Muitos de nós já somos membros fiéis de comunidades paroquiais ou membros de várias instituições, associações e organizações dentro da Igreja. É imperativo que aqueles que já estão engajados sejam apoiados na comunidade da Igreja, para que possam ser fortalecidos e inspirados a evangelizar o mundo exterior.

Assim como os muitos lugares físicos em que podemos nos encontrar, o mundo digital é algo que deve ser levado em conta pela Igreja. Gostaríamos de ver uma Igreja que seja acessível através das mídias sociais, bem como outros espaços digitais, para oferecer mais facilmente e efetivamente informações sobre a Igreja e seus ensinamentos, e para promover a formação do jovem. Em suma, devemos nos encontrar onde estamos – intelectualmente, emocionalmente, espiritualmente, socialmente e fisicamente.

14. As Iniciativas a Reforçar

Ansiamos por experiências que possam aprofundar nosso relacionamento com Jesus no mundo real. Iniciativas que são bem sucedidas nos oferecem uma experiência de Deus. Por isso, respondemos a iniciativas que nos oferecem uma compreensão dos sacramentos, da oração e da liturgia, a fim de compartilhar e defender adequadamente a nossa fé no mundo secular. Os Sacramentos são de grande valor para nós que desejam desenvolver um senso mais profundo do que eles significam em nossas vidas. Isso vale para a preparação do matrimônio, o sacramento da reconciliação, a preparação para o batismo de crianças e assim por diante. Por causa da falta de apresentação clara e atraente sobre o que os Sacramentos realmente oferecem, alguns de nós passam pelo processo de recebê-los, mas subestimando-os.

Algumas iniciativas frutíferas são: eventos como a Jornada Mundial da Juventude; cursos e programas que fornecem respostas e formação, especialmente para aqueles que são novos para a fé; ministérios de extensão; catecismos juvenis; retiros de fim de semana e exercícios espirituais; Eventos carismáticos, coros e grupos de culto; peregrinações; Ligas esportivas cristãs; grupos juvenis paroquiais ou diocesanos; Grupos de estudos bíblicos; grupos cristãos universitários; diferentes aplicativos de fé e a imensa variedade de movimentos e associações dentro da Igreja.

Respondemos a eventos bem organizados e de maior escala, mas também afirmamos que nem todos os eventos precisam ser dessa escala. Pequenos grupos locais onde podemos expressar perguntas e compartilhar na comunhão cristã são também fundamentais para manter a fé. Esses eventos menores nos espaços sociais podem preencher a lacuna entre eventos maiores da Igreja e a paróquia. A coleta dessas maneiras é especialmente importante para aqueles em países que menos aceitam os cristãos.

Os aspectos sociais e espirituais das iniciativas da Igreja podem ser complementares entre si. Há também um desejo de evangelismo social e evangelização para as pessoas que lutam contra doenças e vícios, além de dialogar com pessoas de diversos contextos religiosos, culturais e socioeconômicos. A Igreja deve reforçar as iniciativas que combatem o tráfico de pessoas e a migração forçada, bem como o narcotráfico, especialmente importante na América Latina.

15. Instrumentos a serem utilizados

A Igreja deve adotar uma linguagem que envolva os costumes e culturas dos jovens, para que todas as pessoas tenham a oportunidade de ouvir a mensagem do Evangelho. No entanto, somos apaixonados pelas diferentes expressões da Igreja. Alguns de nós têm uma paixão pelo “fogo” dos movimentos contemporâneos e carismáticos que focalizam o Espírito Santo; outros são atraídos para o silêncio, a meditação e as liturgias tradicionais reverenciais. Todas essas coisas são boas, pois nos ajudam a orar de maneiras diferentes. Fora da Igreja, muitos jovens vivem uma espiritualidade contente, mas a Igreja poderia envolvê-los com os instrumentos certos.

· Multimídia – A internet oferece à Igreja uma oportunidade evangélica sem precedentes, especialmente com mídia social e conteúdo de vídeo online. Como jovens, somos nativos digitais que podem liderar o caminho. É também um ótimo lugar para encontrar e envolver pessoas de outras religiões e nenhuma. A série de vídeos regulares do Papa Francisco é um bom exemplo do uso do potencial evangélico da internet.

· Iniciativas a reforçar – Anos de serviço dentro de movimentos e caridades dão aos jovens uma experiência de missão e um espaço para discernir. Também cria a oportunidade para a Igreja encontrar pessoas não-crentes e pessoas de outras religiões no mundo.

· A Arte e Beleza – A beleza é universalmente reconhecida e a Igreja tem uma história de engajamento e evangelização através das artes, como música, artes visuais, arquitetura, design, etc. Os jovens especialmente respondem e gostam de ser criativos e expressivos.

· Adoração, Meditação e Contemplação – Agradecemos também o contraste do silêncio oferecido pela tradição eclesial de adoração eucarística e oração contemplativa. Ele fornece um espaço longe do ruído constante da comunicação moderna e é aqui que encontramos Jesus. O silêncio é onde podemos ouvir a voz de Deus e discernir Sua vontade por nós. Muitos fora da Igreja também apreciam a meditação, e a rica cultura da Igreja pode ser uma ponte para essas pessoas seculares, mas espirituais. Pode ser contra-cultural, mas eficaz.

· Testemunho – As histórias pessoais da Igreja são formas eficazes de evangelizar como verdadeiras experiências pessoais que não podem ser debatidas. Testemunhas cristãs modernas eo testemunho dos cristãos do Oriente Médio perseguidos são testemunhos particularmente fortes da plenitude da vida encontrada na Igreja. As histórias dos santos ainda são relevantes para nós como caminhos para a santidade e a realização.

· O Processo Sinodal – Estamos muito contentes por sermos levados a sério pela hierarquia da Igreja e sentimos que este diálogo entre a Igreja jovem e a velha Igreja é um processo de escuta vital e fecundo. Seria uma pena se este diálogo não tivesse a oportunidade de continuar e crescer! Essa cultura de abertura é extremamente saudável para nós.

No início desta Reunião Pré-Sinodal e no espírito deste diálogo, o Papa Francisco trouxe à conversa este versículo da Bíblia: “E depois derramarei o meu Espírito sobre todos os povos. Vossos filhos e filhas profetizarão, vossos velhos sonharão, e vossos jovens terão visões ”(Joel 3: 1).

 

FONTE: PRESS.VATICAN.VA

 

Anúncios