“Pai Nosso, dos pobres marginalizados. Pai Nosso, dos mártires, dos torturados. Teu nome é santificado naqueles que morrem defendendo a vida. Teu nome é glorificado, quando a justiça é nossa medida. Teu reino é de liberdade, de fraternidade, paz e comunhão. Maldita toda violência que devora a vida pela repressão.”

“Um dia para se questionar e relembrar nossas próprias atitudes! Um dia para fazer ecoar o grito pelo respeito e dignidade de cada pessoa. Eu sou porque nós somos.” (Makota Celinha)

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Foi através de um sentimento de luta pela Cultura da Paz, em um diálogo inter-religioso, que aconteceu o Ato pela Diversidade, Democracia e Liberdade. O encontro foi na última quinta-feira, 17 de maio, com uma proposta de diálogo fraterno realizada pelo Fórum Inter-religioso, na presença dos importantes apoiadores: Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (CONIC/MG), Centro Nacional de Africanidade e Resistência Afro-Brasileira (CENARAB), DCE PUC Minas, Pastoral Universitária PUC Minas, Educafro, REPLUD (Grupo de Pesquisa em Religião, Pluralismo e Diálogo do Programa de Pós Graduação em Ciências da Religião PUC Minas), UFM, CUT-MG, e OFM (Ordem dos Frades Menores).

Com a presença de adeptos de várias religiões, grupos apoiadores e pessoas interessadas, o Ato Inter-religioso, conduzido por representantes do Candomblé e Umbanda, foi repleto de momentos reflexivos, breves encenações teatrais e poesias, tudo isso encantou o espaço do evento, que aconteceu no CENARAB, bairro Calafate, em BH.

O desafio de conviver com a diversidade está presente no cotidiano de cada um e cada uma. E quando esse desafio aborda a religião, é importante lembrar que o pluralismo convida a sociedade a enxergar várias possibilidades. Vivenciar as diferenças é o convite que se faz hoje, para que não se esqueça de que o diálogo nasce aí, nos olhares que diferem nesta dinâmica cultural.

Anúncios