A irrupção do laicato às vésperas do Vaticano II (6)

O Observatório compartilha aqui a série de artigos sobre o laicato do teólogo pastoralista Agenor Brighenti, por duas razões: primeiro, diante dos poucos frutos eclesiais do Ano do Laicato, segundo, o marco da recente celebração dos 30 anos da publicação da Exortação Christifideles Laici, pelo Papa João Paulo II, em 1988, sobre a vocação e a missão dos leigos na Igreja e no mundo.  Nosso objetivo é provocar a reflexão e a conversão pastoral eclesial no ano do Sínodo da Amazônia…

Serão dez artigos dedicados à situação (três artigos já publicados no Observatório da Evangelização), à vocação (quatro artigos) e à missão (três artigos) do laicato na Igreja e no mundo.

Leia a seguir o terceiro artigo sobre a vocação do laicato na Igreja, hoje: 

O laicato na Igreja e no mundo (6)

Por Agenor Brighenti

O desejo de uma profunda reforma na Igreja, através de uma “volta às fontes” (ad rimini fontes), havia começado ainda no séc. IX, logo depois da híbrida e contestada reforma litúrgica promovida pelo imperador Carlos Magno. O mesmo desejo ressurgiu no séc. XIII com as ordens mendicantes e ainda com mais força no séc. XVI, quase meio milênio mais tarde, com a Reforma protestante. Entretanto, a Igreja só faria uma verdadeira e profunda reforma, na segunda metade do século XX, com a realização do Concílio Vaticano II (1962-1965). 

Como em relação a outros campos da renovação do Vaticano II, a nova compreensão do laicato foi o ponto de chegada de vários movimentos que o prepararam, desde a década de 1940. Entre eles está a valiosa contribuição dos movimentos bíblico, ecumênico, catequético, patrístico, litúrgico, dos padres operários, da nova teologia, da Ação Católica e também do movimento do laicato.

Em busca da emancipação do laicato

Uma primeira iniciativa de emancipação do laicato, deu-se na segunda metade do século XIX, com o Catolicismo Social, um movimento que promoveu a inserção dos cristãos na sociedade, através de obras de assistência e promoção humana. Frente à situação precária da classe trabalhadora, fruto do capitalismo selvagem nascente, surgiram escolas católicas, círculos operários e associações de caridade como a de São Vicente de Paula. O movimento culminou com a publicação da primeira encíclica social pelo Papa Leão XIII – a Rerum Novarum – em 1891. O Catolicismo Social tinha o apoio de alguns bispos e presbíteros, mas em grande medida, foi um movimento de leigos, em especial, de operários da indústria nascente. Entretanto, embora fosse portador de uma forte crítica social, o movimento não fazia nenhum questionamento à configuração da Igreja em duas classes de cristãos – clero e leigos. 

Na sequência do Catolicismo Social, uma segunda iniciativa importante que também iria contribuir com a emancipação do laicato, foi o movimento da Ação Católica. Ele começou no pontificado de Pio X como “Ação Católica geral”, atrelada à mentalidade de cristandade, restrita ao âmbito da piedade e da paróquia, assim como submissa ao clero. A segunda fase é inaugurada com a criação da “Ação Católica especializada” pelo padre belga J. Cardijn, no pontificado de Pio XI. O movimento não mais estará confinada ao interior da Igreja, mas inserido nos diferentes “meios específicos de vida” dos jovens – os meios operário, estudantil e agrário. Agora, os jovens são enviados para fora da Igreja, a “cristianizar os ambientes”, para além do espaço religioso.

Da colaboração à cooperação dos leigos com o clero

Os leigos e leigas da Ação Católica, enviados a “cristianizar os ambientes”, passam a receber um “mandato” da hierarquia, pois se compreende que sua missão é de “participação” no “apostolado hierárquico” da Igreja. Justifica o Papa Pio XI, que “só a Igreja recebeu o mandato e a missão de intervir no mundo” e, por isso, “a hierarquia católica é a única autorizada a dar mandatos e diretrizes”. Anos mais tarde, o Papa Pio XII dará um passo a mais na emancipação do laicato. Em lugar de “participação” dos leigos no ministério hierárquico, ele vai falar de “cooperação”, de uma “delegação de poder”, o que confere ao apostolado do laicato um caráter “público e oficial”. Com isso, embora o Papa frise que “o apostolado dos leigos não significa o acesso à hierarquia e ao poder na Igreja”, entretanto, na medida em que o clero não mais preside a Ação Católica, mas apenas a acompanha como “assistente eclesiástico”, se reconhece que os leigos não só “pertencem” à Igreja, como “são” Igreja. 

A superação do binômio clero-leigos

É a partir da década de 1950 que a teologia do laicato vai dar um salto qualitativo, rompendo com o binômio clero-leigos e contribuindo para a configuração da Igreja na perspectiva de um novo binômio – comunidade-ministérios. O avanço deveu-se muito aos jovens da Ação Católica, ou seja, à militância dos próprios leigos. Por ocasião do II Congresso Mundial da Ação Católica, o Papa Pio XII afirmaria em seu discurso, que o movimento “tem o mandato da hierarquia, mas o clero não tem o monopólio do apostolado livre”. Com isso, do ponto de vista eclesiológico, se continua identificando a Igreja com a hierarquia, mas na prática pastoral, cada vez mais os leigos vão se fazendo Igreja e questionando a configuração desta em duas classes de cristãos. 

Na década de 1960, os questionamentos dos leigos da Ação Católica desembocariam num confronto com o clero, em especial com os bispos, gerando uma profunda crise no movimento e sua posterior dissolução. Entretanto, sua contribuição não estava perdida, pois seus frutos seriam acolhidos pelo Concílio Vaticano II. Muito da nova teologia do laicato, gestada pelas práticas dos próprios leigos e leigas, estava recolhida nas obras pioneiras do teólogo Y. Congar e, do fundador da JOC, J. Cardijn. Ambos participariam do Concílio e fariam ecoar na aula conciliar a voz do movimento leigo: a identidade e missão do laicato não é derivada da hierarquia, pois se funda no sacramento do batismo, de onde brotam todos os ministérios na Igreja, dado que o Povo de Deus é todo ele um povo profético, sacerdotal e régio. Por isso, não há duas classes de cristãos – clero-leigos – mas um único gênero de fiéis, que conforma “uma Igreja toda ela ministerial”.

Sobre o autor:

Doutor em Ciências teológicas e religiosas pela Universidade Católica de Louvain, Bélgica; professor-pesquisador da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR), Curitiba; professor visitante do Instituto Teológico-Pastoral para América Latina do CELAM, em Bogotá, e membro da Equipe de Reflexão Teológica-Pastoral do CELAM.

Fonte:

www.amerindiaenlared.org

Leia também:

7. A identidade do laicato no Concílio Vaticano II

Um comentário

  1. Por enquanto o termo “laico” tem dois sentidos, “não clero” (semântica dominante”) e “membro do povo de Deus” (semântica recessiva). Há ainda muito trabalho a fazer para inverter a balança desses dois significados. E a emancipação do leigo/da leiga é, muitas vezes, vista como querer ser igual ao padre… Creio que o caminho não é por aí. A questão é se o serviço ao povo de Deus tem que ser pensado em forma de um clero concebido segundo o modelo do levitismo do Antigo Testamento. Por outro lado falta um aprofundamento da dimensão secular da vocação cristão conforme concílio Vaticano II.
    J. Konings

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s