Abertura do Ano Pastoral na Arquidiocese de Belo Horizonte

A alegria do Evangelho enche o coração e a vida inteira daqueles que se encontram com Jesus” (EG 1)

Povo de Deus,

Paz em Cristo Jesus.

Nossa amada Arquidiocese de Belo Horizonte vive um momento de graça, de alegria e de renovado compromisso pastoral evangelizador, logo após concluir sua VI APD (6ª Assembleia do Povo de Deus) em novembro de 2019. Trata-se de um caminho missionário fruto das muitas reflexões, orações, discernimentos e, finalizando o processo, decisões assumidas, no espírito de participação e comunhão, das diretrizes para a ação evangelizadora no próximo quadriênio (2019-2023). As diretrizes aprovadas estão em comunhão com as orientações da CNBB (Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil- 2019-2023) para a evangelização no Brasil. 

Evangelizar é compromisso da Igreja, enquanto continuadora do “Evangelho da alegria”, de anunciar-testemunhar a boa nova do projeto libertador de Deus, revelado e encarnado na vida de Jesus, para toda e cada pessoa humana. Evangelizar o Povo de Deus nesta Arquidiocese, com suas muitas e diversificadas comunidades de fé e partilha de vida, em seu amplo e complexo território, rural e urbano, é o campo de ação. A Palavra de Deus é o bem maior, o conteúdo melhor, a razão da alegria verdadeira que precisa chegar ao coração de todos, aos mais variados e desafiadores ambientes, lugares e circunstâncias. A Palavra deve ser proclamada por palavras e ações a exemplo daquele que, por excelência, é Jesus Cristo, rosto e carne humana do Deus da vida. A missão evangelizadora é de todos os discípulos (as) dele, Cristo, o Senhor da Vinha. “Ai de mim se não evangelizar” (1Cor.9,16), clamava o apóstolo Paulo. Evangelizar é preciso para revitalizar e multiplicar as “comunidades eclesiais missionárias”, tornando-as, pela força e criatividade do Espírito Santo, capazes de se comprometerem, através de ações concretas, no serviço aos pobres e no cuidado para com a casa comum, a partir do compromisso de cultivar ecologia integral, enquanto, como peregrinos, caminhamos para o Reino definitivo de Deus Pai.

Nossa Igreja arquidiocesana, ao continuar com ardor seu compromisso e serviço missionário, quer orientar-se pelas diretrizes definidas na VI APD para cada um dos quatro pilares da casa: 1. casa da Palavra; 2. casa do Pão; 3. casa da Caridade; e 4. casa da Missão dos projetos/planos pastorais que todas as pastorais/ comunidades/ paróquias, regiões episcopais, vicariatos episcopais especiais e instâncias arquidiocesanas fizeram, buscando definir ações concretas para traduzir o que as diretrizes de evangelização do projeto de Evangelização “Proclamar a Palavra” indicaram (Cf. Projeto de Evangelização Proclamar a Palavra). Assim, a cada ano, uma diretriz de cada pilar da casa, será assumida e posta em prática por uma ação definida. Desta forma, ao longo do quadriênio, as realidades eclesiais comunitárias, paroquiais, regionais, dos vicariatos episcopais especiais e instâncias arquidiocesanas terão passado por todas as diretrizes do projeto de evangelização. Ao final de cada ano, far-se-á, nas várias realidades eclesiais, uma avaliação das ações feitas, possibilitando correções, avanços e qualificação do processo garantindo a efetivação do projeto de evangelização.

07/03/2020 – Abertura do Ano Pastoral

No espírito de participação e comunhão arquidiocesana, as regiões episcopais realizaram neste domingo, dia 08/03/2020, a abertura do Ano Pastoral. Nesta oportunidade e experiência de partilha e de renovado compromisso pastoral evangelizador e missionário, foram acolhidos os (as) novos(as) conselheiros (as) e os reconduzidos a este serviço. Os (as) mesmos (as) foram despertados (as) e conscientizados (as) quanto à importante tarefa missionária de fazer acontecer as diretrizes aprovadas na VI APD. Foi também apresentado o Plano pastoral de cada região episcopal na especifica tarefa que tem de articular,  à luz das diretrizes de evangelização do projeto de evangelização “Proclamar a Palavra”, as ações evangelizadoras. Cada região episcopal buscou, com atenção à sua realidade específica e com a criatividade que brota dos dons do Espírito Santo, celebrar esse momento significativo que é a ação missionária que “ainda hoje representa o máximo desafio para a Igreja” […] e é o “paradigma de toda a obra da Igreja” (EG,15).

Renovemos com alegria e ardor nosso desejo e compromisso com o Evangelho e, pela força e graça da Palavra de Deus, que fecunda todo coração que se abre à “Alegria do Evangelho”, sirvamos a cada irmão (a), exercitando o cuidado com a vida e dignidade de cada pessoa humana a exemplo do Mestre e Senhor, o bom samaritano de toda a humanidade.

Cordial abraço

Pe. Joel Maria dos Santos

Vigário episcopal para ação pastoral

Membro da equipe executiva do Observatório da Evangelização